As Vestes Sacerdotais

09-06-2016 14:55
 
Entre os diversos assuntos bíblicos que geram muita controvérsia, as vestes sacerdotais e a forma como os sacrifícios eram oferecidos são de especial destaque. Isso porque há muitos pregadores que, para “enfeitar” suas mensagens, utilizam-se de informações contraditórias e infundadas, sem base bíblica. Nesse estudo quero desmistificar esse assunto através de concordância bíblica e histórica, mostrando a verdade para instrução do povo cristão.
Entre as várias invenções sobre esse assunto, uma das mais ouvidas é acerca da corda. Ensinam alguns que o Sumo Sacerdote, na época de entrar no Santo dos Santos para oferecer sacrifícios pelos pecados seus e do povo, corria o risco de ser morto por Deus. Então se amarraria uma corda nele e, caso morresse no Santo dos Santos, seria puxado para fora (pois somente o Sumo Sacerdote podia entrar ali). Estudei vários autores, fui buscar referências em Flávio Josefo (historiador judeu que viveu no primeiro século – de 37 d.C. a 100 d.C.), e não há absolutamente nenhum indício que tal prática seja verdadeira. Portanto, ensinar que o Sumo Sacerdote era preso a uma corda é um invenção que há muito tempo se dissemina no meio cristão.
Outro ponto de especial importância diz respeito aos guizos (sinos ou campainhas) que rodeavam a orla da sobrepeliz (túnica azul arroxeada que ficava por baixo da estola sacerdotal). Eu mesmo, por um tempo, pensei que tais sinos serviam para avisar da morte do Sumo Sacerdote dentro do Santo dos Santos, mas, após ser tocado pelo Espírito, comecei a pesquisar sobre seu real significado, e descobri que estava enganado em minha interpretação. Por isso também publico esse estudo, para que outros que estejam enganados possam corrigir-se enquanto há tempo, a fim de ensinar corretamente o povo santo de Deus. Vejamos, em primeiro lugar, os componentes das vestes do Sumo Sacerdote, parte por parte:
1- Calções de Linho, da cintura até os joelhos (“Faze-lhes também calções de linho, para cobrirem a carne nua; irão dos lombos até as coxas.” Êxodo 28:42);
2- Túnica de Linho Fino; Mitra de Linho Fino; Cinto de Linho Fino, obra de bordador (“Também farás túnica de linho fino; também farás uma mitra de linho fino; mas o cinto farás de obra de bordador.” Êxodo 28:39);
3- Tiaras ou Turbantes (“Também farás túnicas aos filhos de Arão, e far-lhes-ás cintos; também lhes farás tiaras, para glória e ornamento.” Êxodo 28:40);
4- Sobrepeliz, cor azul arroxeada, que ficava por baixo da estola sacerdotal, em cuja orla haviam romãs feitas de estofo azul, purpúrea e carmesim, e campainhas de ouro entre as romãs, que soavam quando o Sumo Sacerdote se movia (“Também farás o manto do éfode, todo de azul. E a abertura da cabeça estará no meio dele; esta abertura terá uma borda de obra tecida ao redor; como abertura de cota de malha será, para que não se rompa. E nas suas bordas farás romãs de azul, e de púrpura, e de carmesim, ao redor das suas bordas; e campainhas de ouro no meio delas ao redor. Uma campainha de ouro, e uma romã, outra campainha de ouro, e outra romã, haverá nas bordas do manto ao redor, e estará sobre Arão quando ministrar, para que se ouça o seu sonido, quando entrar no santuário diante do Senhor, e quando sair, para que não morra.” Êxodo 28:31-35);
5- A Estola Sacerdotal era uma vestimenta de linho e fios de ouro, semelhante a um avental, que era composta de duas partes, sem mangas, presas por ombreiras (“E tomarão o ouro, e o azul, e a púrpura, e o carmesim, e o linho fino, e farão o éfode de ouro, e de azul, e de púrpura, e de carmesim, e de linho fino torcido, de obra esmerada. Terá duas ombreiras, que se unam às suas duas pontas, e assim se unirá.” Êxodo 28:5-7);
6- O Peitoral do Juízo, o qual nunca poderia se separar da Estola Sacerdotal, media 1 palmo de largura por 1 palmo de comprimento, trazendo sobre si 12 pedras preciosas com o nome de cada tribo de Israel gravada sobre elas. Ficava sobre a Estola, na posição do coração do Sumo Sacerdote (“Farás também o peitoral do juízo de obra esmerada, conforme a obra do éfode o farás; de ouro, de azul, e de púrpura, e de carmesim, e de linho fino torcido o farás. Quadrado e duplo, será de um palmo o seu comprimento, e de um palmo a sua largura. E o encherás de pedras de engaste, com quatro ordens de pedras; a ordem de um sárdio, de um topázio, e de um carbúnculo; esta será a primeira ordem; e a segunda ordem será de uma esmeralda, de uma safira, e de um diamante; e a terceira ordem será de um jacinto, de uma ágata, e de uma ametista; e a quarta ordem será de um berilo, e de um ônix, e de um jaspe; engastadas em ouro serão nos seus engastes. E serão aquelas pedras segundo os nomes dos filhos de Israel, doze segundo os seus nomes; serão esculpidas como selos, cada uma com o seu nome, para as doze tribos. Também farás para o peitoral cadeiazinhas de igual medida, obra trançada de ouro puro. Também farás para o peitoral dois anéis de ouro, e porás os dois anéis nas extremidades do peitoral. Então porás as duas cadeiazinhas de fieira de ouro nos dois anéis, nas extremidades do peitoral; e as duas pontas das duas cadeiazinhas de fieira colocarás nos dois engastes, e as porás nas ombreiras do éfode, na frente dele. Farás também dois anéis de ouro, e os porás nas duas extremidades do peitoral, na sua borda que estiver junto ao éfode por dentro. Farás também dois anéis de ouro, que porás nas duas ombreiras do éfode, abaixo, na frente dele, perto da sua juntura, sobre o cinto de obra esmerada do éfode. E ligarão o peitoral, com os seus anéis, aos anéis do éfode por cima, com um cordão de azul, para que esteja sobre o cinto de obra esmerada do éfode; e nunca se separará o peitoral do éfode. Assim Arão levará os nomes dos filhos de Israel no peitoral do juízo sobre o seu coração, quando entrar no santuário, para memória diante do Senhor continuamente. Também porás no peitoral do juízo Urim e Tumim, para que estejam sobre o coração de Arão, quando entrar diante do Senhor: assim Arão levará o juízo dos filhos de Israel sobre o seu coração diante do Senhor continuamente.” Êxodo 28:15-30).
Essas são as partes principais das roupas do Sumo Sacerdote, enquanto realiza seus afazeres diários. Contudo, quando chegava o dia de apresentar-se a Deus no Santo dos Santos, oferecendo sacrifício pelos seus próprios pecados e também pelos pecados da nação, as roupas descritas acima eram retiradas e trocadas por roupas mais simples, conforme está escrito em Levítico 16:
“E falou o SENHOR a Moisés, depois da morte dos dois filhos de Arão, que morreram quando se chegaram diante do SENHOR. Disse, pois, o Senhor a Moisés: Dize a Arão, teu irmão, que não entre no santuário em todo o tempo, para dentro do véu, diante do propiciatório que está sobre a arca, para que não morra; porque eu aparecerei na nuvem sobre o propiciatório. Com isto Arão entrará no santuário: com um novilho, para expiação do pecado, e um carneiro para holocausto. Vestirá ele a túnica santa de linho, e terá ceroulas de linho sobre a sua carne, e cingir-se-á com um cinto de linho, e se cobrirá com uma mitra de linho; estas são vestes santas; por isso banhará a sua carne na água, e as vestirá.” Levítico 16:1-4.
Se estas eram as roupas para adentrar o véu e as demais vestes eram retiradas, assim também a sobrepeliz com as romãs e campainhas era retirada. Desta maneira, não havia ruído de sinos dentro do Santo dos Santos e, o fictício propósito dos sinos avisarem da morte do Sumo Sacerdote, torna-se sem sentido. Concorda com isso Flávio Josefo, conforme trecho do livro a História dos Hebreus:
“O sumo sacerdote não estava sempre revestido desses hábitos, mas usava um menos rico; só o fazia uma vez por ano, quando entrava sozinho no Santo dos Santos; nesse dia celebrava-se um jejum geral.” Flávio Josefo, a História dos Hebreus, página 1342.
Percebam agora a semelhança entre os elementos das vestes do Sumo Sacerdote e Jesus, filho do Deus Bendito, Nosso Sumo Sacerdote:
1- O Sumo Sacerdote tinha que se despir de suas roupas habituais e vestir algo muito mais simples, feita totalmente de linho, e assim apresentar-se diante de Deus. Jesus, ao se apresentar diante de Deus naquela cruz, foi despido de suas vestes habituais, apresentando-se como o próprio sacrifício pelos pecados;
2- O Sumo Sacerdote trazia os nomes das tribos de Israel sobre seu coração, no Peitoral do Juízo. Cristo trouxe nossos nomes sobre o Seu próprio coração e, amando-nos mais do que merecemos e além do que imaginamos, trouxe todos os nossos pecados a juízo, cobrindo o seu preço com sangue;
3- As campainhas ao redor do manto do éfode (sobrepeliz) deviam ser ouvidas sempre que o Sumo Sacerdote se movimentava. Ao entrar e sair do Templo, as campainhas eram o som característico. Segundo o site judaico Chabad (http://www.chabad.org.br/interativo/FAQ/sumoSacerdote.html) as romãs e campainhas têm o seguinte significado: “Um ministro que entra na sala do rei sem aviso está sujeito a pena de morte. Da mesma forma, antes de retirar-se, deve pedir a licença do rei. Os sinos e romãs do manto do sumo sacerdote produziam som. Este som era como se fosse um aviso quando o sumo sacerdote se dirigia e se retirava do local onde trabalhava no Templo”. Agora vemos Jesus, que não usava campainhas em suas roupas, mas ao apresentar-se diante de Deus, clamou: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” Lucas 23:34 e, ao retirar-se para a morte, disse: “Está consumado” João 19:30 e “Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito” Lucas 23:46. Nosso Senhor apresentou-se como Sumo Sacerdote diante do Rei, o Pai, clamando pelo pecador e, ao concluir seu trabalho, consumou a salvação em si mesmo! Muito maior do que o soar de um sino foi a voz de súplicas do Filho de Deus!!!
Vemos, então, que as invenções sobre sinos e cordas não condizem com a realidade. Também não há relatos na Bíblia sobre algum Sumo Sacerdote que houvesse morrido ao entrar no Santo dos Santos. Espero que com este estudo você tenha podido tirar suas dúvidas acerca do tema e possa instruir outros sobre este tópico.
Entre os diversos assuntos bíblicos que geram muita controvérsia, as vestes sacerdotais e a forma como os sacrifícios eram oferecidos são de especial destaque. Isso porque há muitos pregadores que, para “enfeitar” suas mensagens, utilizam-se de informações contraditórias e infundadas, sem base bíblica. Nesse estudo quero desmistificar esse assunto através de concordância bíblica e histórica, mostrando a verdade para instrução do povo cristão.
 
Entre as várias invenções sobre esse assunto, uma das mais ouvidas é acerca da corda. Ensinam alguns que o Sumo Sacerdote, na época de entrar no Santo dos Santos para oferecer sacrifícios pelos pecados seus e do povo, corria o risco de ser morto por Deus. Então se amarraria uma corda nele e, caso morresse no Santo dos Santos, seria puxado para fora (pois somente o Sumo Sacerdote podia entrar ali). Estudei vários autores, fui buscar referências em Flávio Josefo (historiador judeu que viveu no primeiro século – de 37 d.C. a 100 d.C.), e não há absolutamente nenhum indício que tal prática seja verdadeira. Portanto, ensinar que o Sumo Sacerdote era preso a uma corda é um invenção que há muito tempo se dissemina no meio cristão.
 
Outro ponto de especial importância diz respeito aos guizos (sinos ou campainhas) que rodeavam a orla da sobrepeliz (túnica azul arroxeada que ficava por baixo da estola sacerdotal). Eu mesmo, por um tempo, pensei que tais sinos serviam para avisar da morte do Sumo Sacerdote dentro do Santo dos Santos, mas, após ser tocado pelo Espírito, comecei a pesquisar sobre seu real significado, e descobri que estava enganado em minha interpretação. Por isso também publico esse estudo, para que outros que estejam enganados possam corrigir-se enquanto há tempo, a fim de ensinar corretamente o povo santo de Deus.
 
 Vejamos, em primeiro lugar, os componentes das vestes do Sumo Sacerdote, parte por parte:
 
1- Calções de Linho, da cintura até os joelhos (“Faze-lhes também calções de linho, para cobrirem a carne nua; irão dos lombos até as coxas.” Êxodo 28:42);
 
2- Túnica de Linho Fino; Mitra de Linho Fino; Cinto de Linho Fino, obra de bordador (“Também farás túnica de linho fino; também farás uma mitra de linho fino; mas o cinto farás de obra de bordador.” Êxodo 28:39);
 
3- Tiaras ou Turbantes (“Também farás túnicas aos filhos de Arão, e far-lhes-ás cintos; também lhes farás tiaras, para glória e ornamento.” Êxodo 28:40);
 
4- Sobrepeliz, cor azul arroxeada, que ficava por baixo da estola sacerdotal, em cuja orla haviam romãs feitas de estofo azul, purpúrea e carmesim, e campainhas de ouro entre as romãs, que soavam quando o Sumo Sacerdote se movia (“Também farás o manto do éfode, todo de azul. E a abertura da cabeça estará no meio dele; esta abertura terá uma borda de obra tecida ao redor; como abertura de cota de malha será, para que não se rompa. E nas suas bordas farás romãs de azul, e de púrpura, e de carmesim, ao redor das suas bordas; e campainhas de ouro no meio delas ao redor. Uma campainha de ouro, e uma romã, outra campainha de ouro, e outra romã, haverá nas bordas do manto ao redor, e estará sobre Arão quando ministrar, para que se ouça o seu sonido, quando entrar no santuário diante do Senhor, e quando sair, para que não morra.” Êxodo 28:31-35);
 
5- A Estola Sacerdotal era uma vestimenta de linho e fios de ouro, semelhante a um avental, que era composta de duas partes, sem mangas, presas por ombreiras (“E tomarão o ouro, e o azul, e a púrpura, e o carmesim, e o linho fino, e farão o éfode de ouro, e de azul, e de púrpura, e de carmesim, e de linho fino torcido, de obra esmerada. Terá duas ombreiras, que se unam às suas duas pontas, e assim se unirá.” Êxodo 28:5-7);
 
6- O Peitoral do Juízo, o qual nunca poderia se separar da Estola Sacerdotal, media 1 palmo de largura por 1 palmo de comprimento, trazendo sobre si 12 pedras preciosas com o nome de cada tribo de Israel gravada sobre elas. Ficava sobre a Estola, na posição do coração do Sumo Sacerdote (“Farás também o peitoral do juízo de obra esmerada, conforme a obra do éfode o farás; de ouro, de azul, e de púrpura, e de carmesim, e de linho fino torcido o farás. Quadrado e duplo, será de um palmo o seu comprimento, e de um palmo a sua largura. E o encherás de pedras de engaste, com quatro ordens de pedras; a ordem de um sárdio, de um topázio, e de um carbúnculo; esta será a primeira ordem; e a segunda ordem será de uma esmeralda, de uma safira, e de um diamante; e a terceira ordem será de um jacinto, de uma ágata, e de uma ametista; e a quarta ordem será de um berilo, e de um ônix, e de um jaspe; engastadas em ouro serão nos seus engastes. E serão aquelas pedras segundo os nomes dos filhos de Israel, doze segundo os seus nomes; serão esculpidas como selos, cada uma com o seu nome, para as doze tribos. Também farás para o peitoral cadeiazinhas de igual medida, obra trançada de ouro puro. Também farás para o peitoral dois anéis de ouro, e porás os dois anéis nas extremidades do peitoral. Então porás as duas cadeiazinhas de fieira de ouro nos dois anéis, nas extremidades do peitoral; e as duas pontas das duas cadeiazinhas de fieira colocarás nos dois engastes, e as porás nas ombreiras do éfode, na frente dele. Farás também dois anéis de ouro, e os porás nas duas extremidades do peitoral, na sua borda que estiver junto ao éfode por dentro. Farás também dois anéis de ouro, que porás nas duas ombreiras do éfode, abaixo, na frente dele, perto da sua juntura, sobre o cinto de obra esmerada do éfode. E ligarão o peitoral, com os seus anéis, aos anéis do éfode por cima, com um cordão de azul, para que esteja sobre o cinto de obra esmerada do éfode; e nunca se separará o peitoral do éfode. Assim Arão levará os nomes dos filhos de Israel no peitoral do juízo sobre o seu coração, quando entrar no santuário, para memória diante do Senhor continuamente. Também porás no peitoral do juízo Urim e Tumim, para que estejam sobre o coração de Arão, quando entrar diante do Senhor: assim Arão levará o juízo dos filhos de Israel sobre o seu coração diante do Senhor continuamente.” Êxodo 28:15-30).
 
Essas são as partes principais das roupas do Sumo Sacerdote, enquanto realiza seus afazeres diários. Contudo, quando chegava o dia de apresentar-se a Deus no Santo dos Santos, oferecendo sacrifício pelos seus próprios pecados e também pelos pecados da nação, as roupas descritas acima eram retiradas e trocadas por roupas mais simples, conforme está escrito em Levítico 16:
 
“E falou o SENHOR a Moisés, depois da morte dos dois filhos de Arão, que morreram quando se chegaram diante do SENHOR. Disse, pois, o Senhor a Moisés: Dize a Arão, teu irmão, que não entre no santuário em todo o tempo, para dentro do véu, diante do propiciatório que está sobre a arca, para que não morra; porque eu aparecerei na nuvem sobre o propiciatório. Com isto Arão entrará no santuário: com um novilho, para expiação do pecado, e um carneiro para holocausto. Vestirá ele a túnica santa de linho, e terá ceroulas de linho sobre a sua carne, e cingir-se-á com um cinto de linho, e se cobrirá com uma mitra de linho; estas são vestes santas; por isso banhará a sua carne na água, e as vestirá.” Levítico 16:1-4.
 
Se estas eram as roupas para adentrar o véu e as demais vestes eram retiradas, assim também a sobrepeliz com as romãs e campainhas era retirada. Desta maneira, não havia ruído de sinos dentro do Santo dos Santos e, o fictício propósito dos sinos avisarem da morte do Sumo Sacerdote, torna-se sem sentido. Concorda com isso Flávio Josefo, conforme trecho do livro a História dos Hebreus:
 
O sumo sacerdote não estava sempre revestido desses hábitos, mas usava um menos rico; só o fazia uma vez por ano, quando entrava sozinho no Santo dos Santos; nesse dia celebrava-se um jejum geral.” Flávio Josefo, a História dos Hebreus, página 1342.
 
Percebam agora a semelhança entre os elementos das vestes do Sumo Sacerdote e Jesus, filho do Deus Bendito, Nosso Sumo Sacerdote:
 
1- O Sumo Sacerdote tinha que se despir de suas roupas habituais e vestir algo muito mais simples, feita totalmente de linho, e assim apresentar-se diante de Deus. Jesus, ao se apresentar diante de Deus naquela cruz, foi despido de suas vestes habituais, apresentando-se como o próprio sacrifício pelos pecados;
 
2- O Sumo Sacerdote trazia os nomes das tribos de Israel sobre seu coração, no Peitoral do Juízo. Cristo trouxe nossos nomes sobre o Seu próprio coração e, amando-nos mais do que merecemos e além do que imaginamos, trouxe todos os nossos pecados a juízo, cobrindo o seu preço com sangue;
 
3- As campainhas ao redor do manto do éfode (sobrepeliz) deviam ser ouvidas sempre que o Sumo Sacerdote se movimentava. Ao entrar e sair do Templo, as campainhas eram o som característico. Segundo o site judaico Chabad (http://www.chabad.org.br/interativo/FAQ/sumoSacerdote.html) as romãs e campainhas têm o seguinte significado: “Um ministro que entra na sala do rei sem aviso está sujeito a pena de morte. Da mesma forma, antes de retirar-se, deve pedir a licença do rei. Os sinos e romãs do manto do sumo sacerdote produziam som. Este som era como se fosse um aviso quando o sumo sacerdote se dirigia e se retirava do local onde trabalhava no Templo”. Agora vemos Jesus, que não usava campainhas em suas roupas, mas ao apresentar-se diante de Deus, clamou: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” Lucas 23:34 e, ao retirar-se para a morte, disse: “Está consumado” João 19:30 e “Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito” Lucas 23:46. Nosso Senhor apresentou-se como Sumo Sacerdote diante do Rei, o Pai, clamando pelo pecador e, ao concluir seu trabalho, consumou a salvação em si mesmo! Muito maior do que o soar de um sino foi a voz de súplicas do Filho de Deus!!!
 
Vemos, então, que as invenções sobre sinos e cordas não condizem com a realidade. Também não há relatos na Bíblia sobre algum Sumo Sacerdote que houvesse morrido ao entrar no Santo dos Santos. Espero que com este estudo você tenha podido tirar suas dúvidas acerca do tema e possa instruir outros sobre este tópico.
 

Que Deus os abençoe em Nome de Jesus Cristo!